Páginas

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

hi again

voltei a encontrar o meu antigo "diário". sinto que se calhar, com tudo o que ando a passar, talvez uns desabafos para os meus seguidores seja uma boa maneira de fugir do mundo por uns segundos. ultimamente a minha vida tem sido atribulada, com alguns problemas pelas quais nunca passei, e preciso de alguém que me ouça. o blog não me ouve, mas ajuda-me a exprimir o que sinto. e é por isso que voltei. espero que gostem dos meus novos textos. beijinho para todos. 

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

past

não lido bem com certas coisas na vida. estou farta de que tudo seja politicamente correto, tudo demasiado certo, tudo com o pensamento na crise, no que vai acontecer daqui a uns anos e não se preocupar com o "agora", pois vivem mais o futuro. se há algo que me atormenta é amores fracassados, finais infelizes, discussões por coisas parvas. este género de coisas é exactamente sobre o que já disse. sobre o amor. porque se o vivo, é normal que tenha mais preocupações com ele do que normalmente com a crise financeira que passamos agora. tenho a cabeça cheia de pensamentos e preocupações. não me interessa se há mais quem se sinta assim, sinceramente. há algum tempo comecei a preocupar-me mais em fazer perguntas sobre mim mesma e preocupar-me comigo em vez de pensar nas outras pessoas. tenho tantos pontos fracos. estou um bocado farta de tudo isto, de toda esta monotonia. mas mais que isso, estou farta de não conseguir fazer nada para o mudar. concluindo, nada é como eu quero, ou como eu sonhei. vivo a vida como se fosse um percurso que volta sempre a memórias do passado. pois ainda não saí delas. critiquei quem vivesse demasiado o futuro. critico-me de viver demasiado o meu passado.


(este texto foi feito com base em pensamentos meus desorganizados por natureza, de certo que só quem me compreende irá gostar)*

domingo, 8 de janeiro de 2012

base de vida

há coisas inexplicáveis. a pulsação sempre acelerada quando estou contigo. quando te beijo, sinto uma coisa qualquer na barriga, e algo me diz que tudo o que sinto agora não é temporário, nem uma passagem. é algo que veio para ficar, durante muito tempo. é tudo perfeito, mesmo com discussoes. estás comigo, é isso que importa. desculpa, e um grande obrigada por me fazeres, de novo, realmente feliz. já não sei o que é sentir dor, já não sei qual a sensação precisa de se estar desiludido. estou apenas com uma felicidade que me corre pelo corpo, como uma forma de energia para continuar a enfrentar tudo e todos por ti, por nós. não sei o que fizeste, mas apaixonaste-me por completo. entreguei-te tudo o que tenho. compreendes-me bem, ás vezes bem demais. os meus olhos transparecem contentamento. já viste o que me fizeste? roubaste o meu coração. amo-te, mesmo.