Páginas

sexta-feira, 11 de março de 2011

demorei muito tempo até chegar a esta conclusão, tempo demais, até (...)
percebi, agora, que a felicidade, nunca será para sempre, nunca será absoluta, porque cada dia que passa, terás cada vez mais desilusões, mesmo naqueles teus melhores dias, haverá sempre alguém que te vai tentar estragar a tua felicidade.
eu só queria ter uma vida, no minimo, estável, e que houvesse um dia por semana, apenas um dia por semana, em que me sentiria realmente bem com o que tenho. mas não sinto... talvez seja eu, talvez sejam os outros, não consigo perceber! estou farta de dar voltas á minha cabeça, e tentar perceber onde erro, mas isso, muitas vezes, torna-se dificil, porque, chega a ser demais para mim, e eu já não aguento, não quero aguentar mais. ou sou eu, que peço demasiado de mim e do que me podem dar, ou são os outros, que me estão constantemente a desiludir. juro que não compreendo isto.
deitada, á noite, choro, e penso nas coisas que fiz. será que fui eu que errei? ou será que foram eles?, serão sempre as perguntas básicas de um choro que parece não se querer conter, serão sempre estas as perguntas que me fazem pensar durante um longo tempo. a minha vida, sinceramente, já não parece um caminho que tenho que precorrer, como sempre me disseram. parece um castigo, parece que fiz mal a toda a gente, e todos me odeiam ao ponto de gostarem de me ver assim, e de ainda me massacrarem mais, mesmo que não me tenham dito absolutamente nada, mas é como se gostassem que estivesse assim.
eu já não percebo nada. tenho montes e montes de obstáculos á minha frente, e não os consigo passar. são barreiras, que me parecem altas demais, e eu não as consigo por para trás das costas, mesmo que tente. sofro constantemente, e isto anda a dar cabo de mim e de todo o meu corpo. sinto-me fraca, como ainda nunca antes tinha sentido. sinto-me em baixo, parece que vai acabar tudo, num minuto. mas afinal, o que é que eu faço? a sério que não sei. sinto-me errada, como se não fizesse parte disto, deste mundo.
não me vou convencer de nada até ter certezas, talvez seja apenas um momento mau (horrivelmente mau) na minha vida, e que eu tenho que saber como me livrar dele, de vez. mas, esse fim, parece estar muito longe.