Páginas

domingo, 15 de maio de 2011

(in)real

estava perdida em palavras, e em conselhos q lhe diziam para o deixar. mas ela ainda tinha muito em q pensar, e não o queria deixar, não agora. apesar de saber q errar também era caminho, não o queria seguir. não queria acabar com tudo oq ele e ela tinham construido. só não queria q ele a esquece-se, era a pior coisa q ele poderia fazer-lhe. doia-lhe o coração e a barriga só em pensar nisso. queria encontrar a resposta certa, a resposta q a levasse ao caminho certo. mas estava tão longe, parecia inalcansável. chorava todas as noites, farta de pensar. queria menos preocupações. queria ter uma única. ele. mas, ele, por sua vez, lembrava-se dela a cada hora, a cada minuto q passava. lembrava-se, sim. mas pensamentos maus, mais pareciam pesadelos, mas enquanto ele estava acordado. não compreendia, parecia-lhe o caminho q ele tinha q seguir ... apesar de a amar, e de ser o caminho mais duro, ele estava decidido a tomá-lo. esses "pesadelos" traziam-lhe as memórias de todas as discussões e de todos os erros q ela tinha cometido. e pareciam-lhe tantos, mas ao mesmo tempo, tão poucos no tempo em q estiveram juntos. ele também não a queria deixar, tinha a certeza. mas aqueles "pesadelos" pareciam o mais certo, apesar de tudo ... então, resolveu-se. iria falar com ela, e dizer-lhe o q estava a pensar. e assim foi. disse q a amava mais q tudo na sua vida, mas vinham-lhe imagens á cabeça de erros dela, de tudo oq ela fez de mal. ela ficou transtornada, não sabia o q dizer ... mas disse apenas q a decisão era dele, e q ela estava farta de pensar, e tinha medo q isto acontece-se, q oq ele estava a decidir acontece-se. era o maior pesadelo dela, e por sua vez, tanto acordada, como a dormir. estava tão farta q queria apenas dizer-lhe q o amava, beijá-lo, amá-lo e ter os seus com ele. a sua familia de sonho com ele, estava a ir por água abaixo, e ela não queria. então ele decidiu pensar mais umas quantas vezes depois de ouvir as palavras destroçadas dela. disse a si mesmo, q lhe iria dar mais uma oportunidade. estava certo, mas ao mesmo tempo, o receio de ela errar com ele estava a encher-lhe a cabeça. apesar disso, estava decidido, mais uma vez. então, falaram, de novo. deixou-lhe ela beijá-lo. amá-lo. mas disse-lhe "é a tua ultima oportunidade, lembra-te, não podes falhar, eu também vou fazer de tudo para não errar. amo-te, mulher da minha vida." beijou-a, desta vez, ele. e foi assim, q um casal feliz, se juntou.
é pena este texto ser apenas fruto da minha imaginação, e ter um final feliz. porque nem metade das histórias são assim. "não me esqueças, prometo não te falhar". as palavras não competem tomar decisões, e é isso q metade da maioria não entende. apesar de tudo, não entende. tenho um medo enorme de perder o amor da minha vida, e sei q a nossa história, se errarmos tantas vezes, não vai ser assim. vai acabar mal. mas é a vida, a real.

Sem comentários:

Enviar um comentário