Páginas

domingo, 22 de maio de 2011

fly high, don't back

falta-me a inspiração. as palavras. a força. tudo. falar de ti torna-se um passatempo, q parece ser preciso falar, dar atenção e tempo, até q me canse de o fazer. preciso de ar, preciso de ter uma pausa, breves segundos para pensar, em ti, e no q aconteceu. se não o fizer, não sei o q irá acontecer. é tão dificil tentar chegar a alguma conclusão para o q se passou. parece uma conclusão inexistente, mas q eu procuro. procuro sem fim, barafusto, grito, e magoou-me. mas para quê? não encontro nada. nada do q quero. ou sou eu q penso mal, ou és tu q foste pelo caminho errado. o caminho q não faz sentido na minha cabeça, daí ver a minha "conclusão inexistente". tento inspirar-me, para escrever aqui. sem palavras bonitas, nem nada formal. apenas com o meu coração, e a minha mente. sigo-me sempre pelo q o meu coração me diz, mas agora não o estou a fazer. parece impossivel, não é? para ti, deve parecer. porque dizias q eu não pensava. pelo menos com a cabeça, não. e é isso q hoje estou a fazer. não sei se é por me sentir culpada de não o ter feito durante o tempo em q ainda sentia o teu calor no meu coração. não faço mesmo, a minima das ideias. apenas quero continuar a pensar em ti de uma forma positiva, e tentar chegar a algum sitio, para poder explicar o q aconteceu para q te afastasses de mim ás pessoas. penso apenas q fizes-te-o bem. pois não valia a pena continuares aqui, perto de mim. sempre pensas-te ser o melhor a fazer. então, eu agora penso da mesma maneira q tu. pois tu eras o meu mentor. a minha alma e coração. a minha cabeça e a minha decisão. mas agora, sem ti, perco a minha direcção. o meu sentimento e o meu batimento. o meu pensamento e o meu estado de decisão. ficavas? já não ficas. não ficas comigo para sempre, para me guiar. para me dar o teu próprio mundo. e eu, não choro. apenas fico surpresa. porque as tuas promessas foram feitas, caso não te lembres. penso no bom, mas houve o mau. e também não foi esquecido, apesar de eu o tentar fazer. esquecer. ao mau, ao bom, a ti. á tua felicidade quando estavas perto. a tudo o q foi feito, entre nós. q ficasse apenas um pequeno vazio, onde a tua parte pertenceu, e desvaneceu, com o tempo. mas, esperar também é uma virtude. por isso, vou aplicá-la. prefiro refugiar-me de tudo isto em lençois brancos com o sinal da saudade. é assim q reajo ao teu desaparecimento. embrulhada em saudade, linho branco e perfume natural. nunca em lágrimas. não valem a pena, nem te trazem de volta. sou sençata, e, ainda sei tomar as minhas decisões sozinha, mesmo sentido a falta da tua palavra de conforto, encorajamento e sentimento. apesar disso, continuo, e não vou parar o meu caminho agora. fica sabendo q não me estragas-te a vida, nem eu penso nisso. apenas deixas-te a tua marca, e a saudade para me lembrar de ti. és tardio.

Sem comentários:

Enviar um comentário