Páginas

domingo, 18 de dezembro de 2011

411

agradeço todos os dias por fazer parte da tua vida, por termos construido em 1 mês e 2 semanas certas um mundo nosso, um mundo onde eu sou feliz, e tento fazer-te feliz a ti da melhor maneira que sei. tenho a maior sorte do mundo por te ter. a perfeição não existe? olha para nós. és como um principe, que reina o meu coração como ninguém o faz, que me invade a cabeça e me dá ordens de acordo com as leis da felicidade. não vou dizer que não vivia sem ti, que não sabia o que era amar até chegares tu, porque tu sabes, sabes muito bem o meu sentimento por ti, e aquela velha dica do "não consigo expressar por palavras o que sinto por ti" aplica-se a mim. faço textos para ti porque te vivo, vivo á base de respirações tuas, vivo á base de sorrisos teus. és a pessoa mais importante que tenho comigo, ou pelo menos a que eu dou mais valor pois é a unica pessoa que mostra o que sente por mim, de maneira a que eu compreenda, que me deixe mais feliz, porque isto é bonito, algo bom, que se tem de aproveitar cada momento, bom e mau. eu amo-te como não amo mais ninguém neste momento. és o meu mundo, o meu foco, o centro da minha vida, tudo. obrigada, por saberes aquecer-me com palavras meigas que me entram pelo ouvido e se mantém na minha cabeça, que nem agora consigo esquecer. a minha felicidade, de facto, e agora, está contigo. aproveita-a, só te peço que não me magoes. o primeiro mês é sempre perfeito, e feliz. depois pode vir a complicar ... mas sei que vais aguentar qualquer coisa comigo, acredito em ti. nmmg 411, até que isto dure, até que dê para te mostrar o quanto te amo, até que dê para ser feliz contigo. 

sábado, 19 de novembro de 2011

resumo-me a alguém, de novo. e esse alguém é quem merece tudo o que posso dar, incluindo a minha vida, pois dou a minha vida por essa pessoa. de certo que saberá que estou a falar dela, pois é o melhor namorado do mundo. para quê nomes? sabes o que vales. amo-te como não amo ninguém.

sábado, 24 de setembro de 2011

http://www.youtube.com/watch?v=FlsBObg-1BQ
esta mulher diz tudo o que me vai no coração e compreende-me mesmo não me conhecendo . és a melhor, adele . 

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

' i feel like ... '

sinto-me como se estivesse morta . sinto-me a pior pessoa do mundo, a que não tem nada, a que só sabe lamentar e não sabe lutar pelo que quer . o pior disto tudo é que eu sei que não tenho culpa de nada do que se anda a passar, mas ponho as culpas todas em mim, dou a mim todos os defeitos, dou a mim as piores coisas . fui obrigada agora a viver sem a coisa que mais prezei este tempo todo . a coisa, não . a pessoa . mas não obrigo ninguém a voltar para mim, e esta pessoa nem sequer obrigada volta a ser o que me era . tenho medo de errar, mesmo sabendo que não errei desta vez . mas mesmo assim, sinto medo de fazer qualquer coisa que me prejudique a mim ou á "pessoa" . tenho medo de ser gozada pelo meu simples esforço, pela minha enorme luta . medo de pensar que está tudo bem e no fim vêm mais desilusões para simplesmente me deixarem mal e me fazerem perceber que nunca nada esteve bem . sinto-me rebaixada, basicamente . acho que é a palavra mais certa para me descrever agora . como será viver feliz? sim, porque já não o sou há bastante tempo, nem no sitio onde eu sempre estive bem me senti realizada, ou simplesmente contente por ter os ares da minha Terra de novo na minha pele e sentir o cheiro da minha gente . é muito dificil ter a nossa vida com um pouco de felicidade . pelo menos no meu caso, é . a minha vida não é invejável, bem pelo contrário . tenho muitas coisas mais poucas delas me valem . aquilo que eu quero menos perder, é aquilo que perco com mais felicidade . parece que me foge ... tenho medo de nunca conseguir alcançar a felicidade total, ou pelo menos sentir que não tenho muitos problemas com que me preocupar . porque é isso que me deixa mal, os meus problemas, os meus obstáculos, as minhas perdas, os erros dos outros comigo, as desilusões . como se vê, sou bastante normal . a minha vida é que não . anda sempre numa mudança constante, ás vezes assusto-me comigo própria pois pareço uma bipolar . tão rápido estou bem como mal, é assim . 
resumindo esta história confusa, sinto-me mal há pouco mais de 4 meses . quero a minha vida antiga de volta, quero saber lutar, quero saber utilizar a minha força . quero sentir que me amam, quero sentir amizades verdadeiras, quero sentir amor verdadeiro, quero sentir-me bem, quero sentir-me viva de novo . quando será isto possivel? talvez nunca .

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

soul mate . (never found)

entreguei-me da maneira mais simples possivel . dei-me a conhecer . é apenas a realidade, e essa não a posso mudar, pois já fiz o que tinha de fazer, mesmo que esteja errado . foi o que decidi, e o tempo não volta . gostava de ter tido mais cuidado comigo mesma em vez de pensar em ti primeiro . mas de qualquer maneira, não é grande arrependimento para mim ter feito tudo por ti, e ainda o fazer, dentro dos meus possiveis . 
podia agradecer a Deus por teres aparecido na minha vida . não o faço, e sabes porque? destino não depende de Deus, depende de nos mesmos . tu apareces-te e nunca mais sais-te, por isso hoje me dedico a ti (mais uma vez) para escrever, e deitar mágoas fora . coisa que já ha que tempos que não fazia, e talvez hoje é apenas uma manifestação do meu coração, dizendo-me que preciso de fazer isto, preciso de falar de ti ao mundo, mesmo que não dê o teu nome a conhecer a todos os que vão ler este pequeno excerto da historia da minha vida, da historia do meu coração . quero fazer parte da tua vida . mesmo que isso implique o meu sofrimento . quero a tua felicidade, e vi hoje que ela existe . existe a pessoa que faz a tua felicidade crescer de dia para dia . que cada passo que dás junto a essa pessoa, é um passo da tua vida . é um passo de caminho para o futuro . esse que eu pareço já não fazer parte da maneira que mais queria . pois essa pessoa ocupou o meu lugar . 
apesar de fazeres a minha felicidade, fazes a minha tristeza . sinto-a hoje, da maneira mais sentida, da maneira mais forte, mas sinto-me egoista ao sentir isto, pois é devido á tua felicidade, aquela que eu sempre desejei que existisse, que me mantenho triste, e em baixo . estranho, não é? o sentimento de "amar" está mais presente que nunca, desculpa, não o consigo mudar . 
mas, apesar disso, acho que não faz mal . mais uma vez, o destino veio intervir-se entre nos . eu encontrarei alguém, espero . alguém que me faça tão ou mais feliz quanto tu fizes-te . 
sorrir torna-se dificil, quando sei que te perdi . mas é o unico esforço que até hoje me pedis-te, sem o pedir . eu sei que também me queres ver feliz . e por isso continuo a amar-te, a respeitar-te como és, e a respeitar todas as tuas decisões .
nunca achei nenhuma lágrima minha deitada por ti um desperdicio, pois mereces isso e mais . amo-te como não amo ninguém, e estás acima de qualquer outra coisa, ou pessoa . 
sinto que te amo mais que nunca, mas não vale de nada . valeria, se fosse no passado . mas como já disse, o passado não volta, o tempo não anda para trás quando eu quero . e pensei que isto tudo que se passou entre nós fosse suficiente para te demonstrar que te queria do meu lado . posso-o ter mostrado, mas não serviu . deixar-te ir parece dificil, mas hei-de conseguir . és tu e a tua felicidade que estão em causa .   

sábado, 4 de junho de 2011

amo-te

no dia pensares q foi errado o q fizemos, q o q passamos não valeu nada, e q me amares foi um desperdicio de tempo, então nesse dia, diz-me apenas q chegou, chegou a hora de te deixar ir, de te largar a mão e q és bem capaz de seguir a tua vida sem mim do teu lado, a apoiar-te qd sempre precisas-te.
porque apesar disso, eu sei q nc nada nosso foi em vão. teve tudo a sua razão, e o seu motivo. sempre tentei dar-te tudo ao meu alcance, mas haverá um dia em q nem isso chegará para te prender a mim.
apesar de nc nos termos deixado até hoje, penso q este dia está perto. tanto tempo juntos, para em apenas umas palavras e umas fracções de segundo acabar. tudo o q foi de mais precioso nas nossas vidas á uns tempos, nesse dia irá ser nada para ti.
eu? ficarei bem. triste, magoada, desamparada, desiludida, e tudo mais. mas bem. como se diz, "sorri porque aconteceu, não chores porque acabou." eu sempre segui esse caminho, sempre gostei de desafios, por mais dificeis q fossem. este então, posso dizer q é dos mais dificeis q terei q passar. mas encontrarei alguém q fará os mesmos erros, os mesmos carinhos, e q sentirá o mesmo amor q tu sentes, q tu sentis-te, e fará de tudo para não me perder, como eu faço contigo ou tu fazes agora comigo. porque muitos deles há por aí. com vontade de amar como nós nos amamos. têm é falta de oportunidade, e eu darei essa oportunidade a quem pedir. a quem se esforçar. a quem eu sinta q sou feliz, tanto como fui ou sou, por enquanto, contigo. não irá ser igual a ti, nem ocupar o teu lugar. porque primeiro amor, é sempre o primeiro, e não haverá nenhum mais forte, ou inesquecivel quanto ele. mas isso são palavras bonitas. sim, podem ser sentidas. mas é facil esquecer alguém q foi o tal, o mais importante, o amor de adolescente. tenho visto vários casos disso. mas talvez nunca se tenham amado tanto quanto nós. daí dizer q a ti, nunca esqueço. não te vou referir mais, até porque quero acabar isto. não vale a pena tantas palavras quando posso fazer apenas uma frase dizendo o q sinto por ti e q quero q nunca me deixes, mas q se o pensares fazer, eu aceitarei bem.



                                                                           amo-te sempre, não esquece.

domingo, 29 de maio de 2011

today

nao sabia como começar este texto. nem ideias para o fazer tenho. é apenas um "esboço" do meu coração desprotegido, que se expressa em algumas palavras que parecem ter tanta importância quanto o verdadeiro sentimento.
ás vezes, a vida prega-nos partidas, no qual nós não sabemos como reagir, nem o que pensar. nem a musica, é o nosso refugio mais seguro. nem as palavras ao qual nos habituámos são o nosso ponto de abrigo para pensar em sossego. apenas existe uma pessoa, e essa pessoa somos nós. sem pensar no que há-de vir, pomos-nos a imaginar como seria a vida sem uma pessoa ou com outra. temos vontade de rir, ou então de deitar as nossas mágoas fora, com lágrimas ou desabafos. estas são as verdadeiras partidas. não são testadas cientificamente, mas são, de certa forma, testadas pelo nosso coração. pelo nosso corpo e pelos gestos que ele transmite. assustamos-nos e parecemos uns malucos, chorando e falando conosco próprios. é dificil enfrentar a nossa vida, e sorrir para ela. seguir o nosso coração em vez da nossa cabeça e ver se estamos correctos, ou, noutros casos, errados. parece-nos um bicho de sete cabeças. é o nosso maior medo. é o choro. é a mágoa. é tudo o que o corpo expressa. mas na verdade, e pensando bem, vemos que somos nós que complicamos. que afinal, quando passar, parece mais facil do que era na altura. e porquê? também me pergunto nesses momentos, mas hoje não estou num deles. estou a tentar pensar, e chegar a uma conclusão concrecta. é dificil, porque, na verdade, sou apenas mais uma pessoa sem qualquer tipo de formação. sou ainda uma criança, que está em crescimento. pensamos todos que somos nós que fazemos a tal asneira, que não deviamos ter sequer cometido o tal erro. quando pensamos assim, parece que o mundo desaba. estão todos contra nos, e os sentimentos são multipos. eu ainda não cheguei a conclusão nenhuma, pelo menos áquela que quero. também não me vou esforçar para tal, porque não me é encarregue a mim tentar descobrir a solução do problema das outras pessoas, mas sim a solução do meu. e quando sou eu, sei bem o caminho que hei-de seguir nos meus casos, mesmo que pense, mesmo que me magoe. é a unica forma, até hoje, de enfrentarmos as partidas e mágoas da nossa propria vida. hoje foi o dia de eu pensar. amanhã será o de outra pessoa, e assim sucesivamente. é uma questão de vivermos a nossa vida, sendo que é a unica que temos.

domingo, 22 de maio de 2011

fly high, don't back

falta-me a inspiração. as palavras. a força. tudo. falar de ti torna-se um passatempo, q parece ser preciso falar, dar atenção e tempo, até q me canse de o fazer. preciso de ar, preciso de ter uma pausa, breves segundos para pensar, em ti, e no q aconteceu. se não o fizer, não sei o q irá acontecer. é tão dificil tentar chegar a alguma conclusão para o q se passou. parece uma conclusão inexistente, mas q eu procuro. procuro sem fim, barafusto, grito, e magoou-me. mas para quê? não encontro nada. nada do q quero. ou sou eu q penso mal, ou és tu q foste pelo caminho errado. o caminho q não faz sentido na minha cabeça, daí ver a minha "conclusão inexistente". tento inspirar-me, para escrever aqui. sem palavras bonitas, nem nada formal. apenas com o meu coração, e a minha mente. sigo-me sempre pelo q o meu coração me diz, mas agora não o estou a fazer. parece impossivel, não é? para ti, deve parecer. porque dizias q eu não pensava. pelo menos com a cabeça, não. e é isso q hoje estou a fazer. não sei se é por me sentir culpada de não o ter feito durante o tempo em q ainda sentia o teu calor no meu coração. não faço mesmo, a minima das ideias. apenas quero continuar a pensar em ti de uma forma positiva, e tentar chegar a algum sitio, para poder explicar o q aconteceu para q te afastasses de mim ás pessoas. penso apenas q fizes-te-o bem. pois não valia a pena continuares aqui, perto de mim. sempre pensas-te ser o melhor a fazer. então, eu agora penso da mesma maneira q tu. pois tu eras o meu mentor. a minha alma e coração. a minha cabeça e a minha decisão. mas agora, sem ti, perco a minha direcção. o meu sentimento e o meu batimento. o meu pensamento e o meu estado de decisão. ficavas? já não ficas. não ficas comigo para sempre, para me guiar. para me dar o teu próprio mundo. e eu, não choro. apenas fico surpresa. porque as tuas promessas foram feitas, caso não te lembres. penso no bom, mas houve o mau. e também não foi esquecido, apesar de eu o tentar fazer. esquecer. ao mau, ao bom, a ti. á tua felicidade quando estavas perto. a tudo o q foi feito, entre nós. q ficasse apenas um pequeno vazio, onde a tua parte pertenceu, e desvaneceu, com o tempo. mas, esperar também é uma virtude. por isso, vou aplicá-la. prefiro refugiar-me de tudo isto em lençois brancos com o sinal da saudade. é assim q reajo ao teu desaparecimento. embrulhada em saudade, linho branco e perfume natural. nunca em lágrimas. não valem a pena, nem te trazem de volta. sou sençata, e, ainda sei tomar as minhas decisões sozinha, mesmo sentido a falta da tua palavra de conforto, encorajamento e sentimento. apesar disso, continuo, e não vou parar o meu caminho agora. fica sabendo q não me estragas-te a vida, nem eu penso nisso. apenas deixas-te a tua marca, e a saudade para me lembrar de ti. és tardio.

sábado, 21 de maio de 2011

past

eu não cresço. eu não sinto. nada me faz abrir os olhos. de certo q tenho idade para isso, mas não consigo. vejo tudo tão belo, e quando dou por mim, estou num mundo com coisas horriveis, q nunca me passaram pela cabeça exisitr. a menina pequenina q adorava as bonecas e chorava quando lhe tiravam a chucha, hoje continua com as suas birras, e não quer acordar para a vida. não quer ver o q tem á sua frente. não quer ter mais preocupações. isso é para os adultos, os adolescentes, ou melhor, as crianças como eu, preferem enroscar-se no conforto das lágrimas por não ter algo. eu prefiro assim. eu quero a minha vida assim ... eu não quero crescer mais. eu não quero o desconforto nem o problema a vir atrás de mim. ele q se mantenha longe, porque eu quero viver a minha vida como tenho vivido, simples, mas feliz. com tudo o que quero. se eu abrir os olhos, vou sofrer mais do que tenho sofrido, mesmo tendo-os "fechados" para o mundo. é uma parvoice, eu sei, mas eu sou assim, eu sou a criança, a sonhadora, a feliz. já perdi gente q me chegue. já discuti e lutei q chegue, pelo q é meu, e pelo q eu amo. q fique comigo oq eu preciso, e q fique para trás oq eu deixei para trás e não volte. nem venha mais ninguém novo para a minha vida. lutem por mim, não me façam lutar, porque eu já estou farta de o fazer, e quero o meu conforto de volta, não as lágrimas q me fizeram cair. cair tão baixo q estive um bom tempo para voltar a subir. a crescer. a abrir os olhos. mesmo q eu não queira, tive de os abrir. mas fechei-os de novo, por refúgio. e não quero voltar a abrir mais! nunca mais. apesar de ter de crescer, não quero. apesar de ter de sofrer muito mais, não quero. mas não é por escolha. vou ter de enfrentar medos, e deixar-me disto. abrir os olhos não é uma escolha. é uma obrigação q a vida nos impõe. e eu, apesar de tudo, vou ter de a cumprir. é a coisa mais dificil q eu tenho de infrentar. mas já infrentei umas vezes, não morro por isso. a criança, vai desaparecer. a sonhadora, vai estar guardada dentro de mim, até ter oportunidade de a soltar. e a felicidade, essa volta quando eu quero. quando faço algo para q volte. por isso, acho q não vai ser assim tão dificil ... só quero q esta fase passa tão rápido, q nem dê por ela.

domingo, 15 de maio de 2011

(in)real

estava perdida em palavras, e em conselhos q lhe diziam para o deixar. mas ela ainda tinha muito em q pensar, e não o queria deixar, não agora. apesar de saber q errar também era caminho, não o queria seguir. não queria acabar com tudo oq ele e ela tinham construido. só não queria q ele a esquece-se, era a pior coisa q ele poderia fazer-lhe. doia-lhe o coração e a barriga só em pensar nisso. queria encontrar a resposta certa, a resposta q a levasse ao caminho certo. mas estava tão longe, parecia inalcansável. chorava todas as noites, farta de pensar. queria menos preocupações. queria ter uma única. ele. mas, ele, por sua vez, lembrava-se dela a cada hora, a cada minuto q passava. lembrava-se, sim. mas pensamentos maus, mais pareciam pesadelos, mas enquanto ele estava acordado. não compreendia, parecia-lhe o caminho q ele tinha q seguir ... apesar de a amar, e de ser o caminho mais duro, ele estava decidido a tomá-lo. esses "pesadelos" traziam-lhe as memórias de todas as discussões e de todos os erros q ela tinha cometido. e pareciam-lhe tantos, mas ao mesmo tempo, tão poucos no tempo em q estiveram juntos. ele também não a queria deixar, tinha a certeza. mas aqueles "pesadelos" pareciam o mais certo, apesar de tudo ... então, resolveu-se. iria falar com ela, e dizer-lhe o q estava a pensar. e assim foi. disse q a amava mais q tudo na sua vida, mas vinham-lhe imagens á cabeça de erros dela, de tudo oq ela fez de mal. ela ficou transtornada, não sabia o q dizer ... mas disse apenas q a decisão era dele, e q ela estava farta de pensar, e tinha medo q isto acontece-se, q oq ele estava a decidir acontece-se. era o maior pesadelo dela, e por sua vez, tanto acordada, como a dormir. estava tão farta q queria apenas dizer-lhe q o amava, beijá-lo, amá-lo e ter os seus com ele. a sua familia de sonho com ele, estava a ir por água abaixo, e ela não queria. então ele decidiu pensar mais umas quantas vezes depois de ouvir as palavras destroçadas dela. disse a si mesmo, q lhe iria dar mais uma oportunidade. estava certo, mas ao mesmo tempo, o receio de ela errar com ele estava a encher-lhe a cabeça. apesar disso, estava decidido, mais uma vez. então, falaram, de novo. deixou-lhe ela beijá-lo. amá-lo. mas disse-lhe "é a tua ultima oportunidade, lembra-te, não podes falhar, eu também vou fazer de tudo para não errar. amo-te, mulher da minha vida." beijou-a, desta vez, ele. e foi assim, q um casal feliz, se juntou.
é pena este texto ser apenas fruto da minha imaginação, e ter um final feliz. porque nem metade das histórias são assim. "não me esqueças, prometo não te falhar". as palavras não competem tomar decisões, e é isso q metade da maioria não entende. apesar de tudo, não entende. tenho um medo enorme de perder o amor da minha vida, e sei q a nossa história, se errarmos tantas vezes, não vai ser assim. vai acabar mal. mas é a vida, a real.

terça-feira, 19 de abril de 2011

mas que tipo de pessoa é que pensas que sou? diz-me, se eu sou a pessoa que tu mais amas, porque é que me fazes isto? eu não tenho culpa que, para ti, eu só faça merda, eu não tenho a culpa que tu te chateies por uma coisa qualquer, eu não tenho culpa de ter SENTIMENTOS!, és uma pessoa estupida e burra, por vezes, e que não sabe o que quer, tu deixas-me desamparada, e prestes a chorar, se me amas assim tanto, porquê estas atitudes? nem sei como te amo tanto, eu nunca te deixei quando estavas mal, mesmo chatiados, eu perguntava-te se estavas bem, nunca na minha vida te iria deixar sozinho, quando tu precisasses, entendes? acho que não, porque essa cabeça infantil não pensa, e o teu coração não percebe, não sente, tu não sentes a dor que causas nos outros, e isso está a dar cabo de mim e da minha própria vida! aprende a ser um homem, porque não tornares-te numa pessoa que sabe o que quer?, e que sabe o que diz?, juro que não compreendo, não compreendo como é que pode haver tanta insensibilidade da tua parte, visto que estamos juntos á tanto tempo, ainda não me conheces o suficiente? se não, eu também não me vou dar a conhecer, tives-te tempo de mais para entender o que eu quero dizer apenas com palavras, porque se eu o faço contigo, tu fazias comigo, tu amas-me? a sério, amas? ou só te importas simplesmente contigo? se amas, mostra-me. as minhas incertezas, quanto a ti, estão a voltar. precisamente quando eu mais precisava de força, de uma força tua, de uma ajuda tua, de uma palavra de reconforto tua, porque é que não entendes? porque é que és tão casmurro? porque é que me fazes chorar? eu não te compreendo, desculpa, mas és muito dificil. apesar de lidar contigo á tanto tempo, ainda me consegues por baralhada e magoada, com coisas que simplesmente não têm qualquer cabimento! cada vez me desiludes mais. se a sinceridade, aqui, foi a mais, desculpa, a sério. mas não consigo conter-me mais. não consigo guardar tudo para mim. obrigada por mais uma desilusão.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

se eu digo aos outros para terem força, porque é que eu não a consigo ter? acho que até percebo. sou fraca e não tenho a capacidade de esquecer quem quero com um estalar de dedos, ou apenas com um sorriso, ou então estando perto de quem amo. não consigo. é das piores sensações, e ja deu cabo de mim. porque isto não é de agora. isto é apenas + uma das etapas que passo. mas deixa-me com muitas "marcas" e "feridas", esta passagem. são obstáculos muito dificeis de conseguir passar sem ter alguma ferida ou algo especifico que me marca para o resto da vida, e nem nos meus 80 ou 90 anos o esqueço. a vida é assim, e eu, sou apenas + uma sobrevivente que tenta levar a vida com a maior das facilidades, ainda assim. tenho sonhos, muitos. e vou continuar a lutar por eles. por eles, e pela minha força. ela vai voltar.

                                                                        



domingo, 10 de abril de 2011

e se um dia te lembrares do que tenho feito para que isto continue, lembra-te que não o faço nem por mim, nem por ti. por nós.
e se um dia tiveres saudades do que fomos, lembra-te que já não o iremos ser porque não queremos reviver os erros do passado, e estamos a seguir em frente.
e se um dia quiseres chorar porque me queres perto de ti, lembra-te que não estou de corpo, mas estou de alma.
e se um dia pensares em nós, pensa apenas nos momentos maus, porque foram eles que fortaleceram tudo o que temos.
e se um dia não te disser que te amo de verdade, lembra-te que não é por eu o dizer que vai mudar para + ou para - , é tudo o que temos construido á nossa volta até agora para continuar com isto.
e se um dia (...) não te interessar + que isto aconteça, esquece-me, porque não quero viver numa ilusão. 12/6 - quando tudo começou.
p.s: amo-te + que tudo, you know.

sábado, 9 de abril de 2011

não quero fazer sentido. quero ser á minha maneira (...) nunca mais pensarei antes de agir, acabei de perceber que isso não me serve de nada.

                             SOU LIVRE, E FAÇO O QUE QUERO!         
                          
      

domingo, 3 de abril de 2011

e tudo o que temos? já ninguém destroi, porque é forte, e porque nós não deixamos.
e o meu sentimento? nunca irá mudar.
tu serás sempre das melhores, estarei sempre lá quando precisares, estarei sempre do teu lado, porque tu estás sempre do meu. porque, apesar de tudo, sempre lutas-te pela nossa amizade.
desculpa todos os meus erros, e desculpa nunca ter dado o devido valor aos teus sentimentos, nunca ter pensado antes de fazer, e desculpa também por teres chegado ao ponto em que chegas-te. peço-te desculpa por isto, porque sei bem que quem causou esta situação, fui eu.
eu amo-te de verdade, tatiana, e não é por acaso que fazes parte da minha vida, de uma enorme parte. porque, apesar de tudo, quem te desiludiu, fui eu, não tu. desculpa termos-nos afastado, ou ficado diferentes uma com a outra. obrigado por estares a tentar ter de volta o que tinhamos.
prometo-te nunca mais deixar que isto aconteça.
apesar de tudo, e para sempre: AMO-TE MELHOR AMIGA.
   (está pequeno para uma pessoa com tanta importancia como tu, mas tu sabes, não é o tamanho do texto, mas sim a importancia, e essa é imensa.) 

terça-feira, 29 de março de 2011

"... you are the only exception."

afinal, para quê palavras dificieis?
sabemos todos utilizar as mais simples para descrever o que sentimos. não por completo. mas conseguimos.
quero perceber o porquê de tanta coisa existir, se poderiamos viver com meia duzia delas, os nossos bens essenciais e muito pouco mais.
quero perceber o porquê de amar-mos, se estamos constantemente a sofrer por quem nos ama também. sim, porque, muitas vezes, quem nos ama, é quem faz com que nos sinta-mos mal, rebaixados, com tristeza. se não amasse-mos, não iriamos descobrir as coisas boas que isso trás, é verdade. mas então, se é uma coisa tão bonita como todos dizem, porquê não trazer só coisas bonitas? sem sofrimento? (...) julgo que não haverá nunca resposta para isto.
quero perceber o porquê de usármos as pessoas. sim, eu própria o fiz. quem não fez? e, não vale a pena dizerem que não fizeram, porque todos já erramos neste aspecto, nem que seja uma vez na vida, apenas uma, mas já errámos. muitas das vezes, magoamos os outros sem nos dar conta, porque não é a nós que afecta, é a eles, aos outros, aos que nos rodeiam.
quero perceber o porquê de tantas pessoas se tratarem mal. o porquê de haver tanto perconceito umas com as outras. quero também, perceber o porquê de nos julgarmos, de criticarmos, e de falarmos sem, simplesmente conhecer os outros. isto é muito visto, ultimamente. não só ultimamente, isto já vem há uns bons anos atrás, e continuou a afectar as pessoas do presente.
todos temos os nossos defeitos, qualidades, pontos altos e pontos fracos. porquê julgar, se nós também os temos? diferentes, sim, mas porquê? de certo que o outro fará melhor uma coisa que nós não fazemos.
mas julgo que será sempre assim, não só de agora, mas para sempre. até este mundo acabar.
será que não dá para ver quando estamos a errar, nestes aspectos? será? pois bem, eu vejo, toda a gente vê, mas ninguém quer corrigir.
e agora, indo ao titulo deste post.
ninguém será excepção destas acções. NINGUÉM. vitima ou não, mas ninguém será excepção.
todos teremos de aprender que todos nós erramos, e que ninguém deveria ser julgado por isso. ninguém é perfeito.
o meu ponto de vista, está dito e feito.

segunda-feira, 21 de março de 2011

então, e agora? (...) oq será suposto eu fazer? virei costas ao mundo, por tua culpa, POR TUA CULPA! desisto (...) acabou.



domingo, 20 de março de 2011

lembro-me d td oq passei ctg. tmb, era impossivel esquecer. 
sbs bem q te amei, amo e vou continuar a amar, n da msm forma, e tmb sbs o pq disso, mas irei sempre amar-te duma forma, q nem hj, nem nc se csge explicar. 
és a pessoa mais importante q eu tnh, pela forma cm te marcas-te na mnh vida, e pelo facto d sentir sp a tua falta. 
sempre tentei dar-te tudo oq estivesse ao meu alcance, para te manteres do meu lado, mas faltou uma coisa, e isso acabou por se demonstrar no momento em q desistis-te. eu continuei, e lutei p ti durante um longo tempo, mas pus-me a pensar, e perguntei-me a mim mesma o porquê d o estar a fazer, n podia ser só eu, tinhamos d ser os dois, se tu já tinhas desistido, pq éq eu continuava? nesse momento, tive q parar, reflectir sobre as decisões q tomei, e isso deu c q tu e eu, chegassemos a melhores amigos. 
mas, apesar d tudo oq se passou, vou continuar do teu lado, vou continuar a ser a msm p ti, vou continuar a amar-te, vou continuar a considerar-te o meu melhor amigo, a pessoa q está sp do meu lado, eq vou continuar a sentir o orgulho q sinto p ti e pelo q te tornas-te, pelas decisões q tomas-te, pelo amor q me demonstras-te, e por tudo, TUDO oq me deste até aqui. vou continuar a lutar p ti, e p q a nossa amizade permaneça igual, para q só mude qd for p melhor, e p q o meu sentimento nc acabe. p q permaneças na mnh vida, como sendo oq mais me marcou e mudou, e nc ng vai ocupar o lugar q tu ocupas. e se, um dia, quiseres deixar este lugar vazio, acredita, ele permanecerá c uma lembraça tua, e serás sp o dono dql enorme espaço.
por tudo, amo-te, miguel.

(e já q disses-te q os meus textos neste blog, eram sentidos, acredita, este é o mais sentido de todos eles.)

sexta-feira, 11 de março de 2011

demorei muito tempo até chegar a esta conclusão, tempo demais, até (...)
percebi, agora, que a felicidade, nunca será para sempre, nunca será absoluta, porque cada dia que passa, terás cada vez mais desilusões, mesmo naqueles teus melhores dias, haverá sempre alguém que te vai tentar estragar a tua felicidade.
eu só queria ter uma vida, no minimo, estável, e que houvesse um dia por semana, apenas um dia por semana, em que me sentiria realmente bem com o que tenho. mas não sinto... talvez seja eu, talvez sejam os outros, não consigo perceber! estou farta de dar voltas á minha cabeça, e tentar perceber onde erro, mas isso, muitas vezes, torna-se dificil, porque, chega a ser demais para mim, e eu já não aguento, não quero aguentar mais. ou sou eu, que peço demasiado de mim e do que me podem dar, ou são os outros, que me estão constantemente a desiludir. juro que não compreendo isto.
deitada, á noite, choro, e penso nas coisas que fiz. será que fui eu que errei? ou será que foram eles?, serão sempre as perguntas básicas de um choro que parece não se querer conter, serão sempre estas as perguntas que me fazem pensar durante um longo tempo. a minha vida, sinceramente, já não parece um caminho que tenho que precorrer, como sempre me disseram. parece um castigo, parece que fiz mal a toda a gente, e todos me odeiam ao ponto de gostarem de me ver assim, e de ainda me massacrarem mais, mesmo que não me tenham dito absolutamente nada, mas é como se gostassem que estivesse assim.
eu já não percebo nada. tenho montes e montes de obstáculos á minha frente, e não os consigo passar. são barreiras, que me parecem altas demais, e eu não as consigo por para trás das costas, mesmo que tente. sofro constantemente, e isto anda a dar cabo de mim e de todo o meu corpo. sinto-me fraca, como ainda nunca antes tinha sentido. sinto-me em baixo, parece que vai acabar tudo, num minuto. mas afinal, o que é que eu faço? a sério que não sei. sinto-me errada, como se não fizesse parte disto, deste mundo.
não me vou convencer de nada até ter certezas, talvez seja apenas um momento mau (horrivelmente mau) na minha vida, e que eu tenho que saber como me livrar dele, de vez. mas, esse fim, parece estar muito longe.

terça-feira, 1 de março de 2011

tenho feito deste blog um "livro" com recordações de pessoas que me marcaram de tal forma que, nem hoje, nem nunca, as vou esquecer.
mas este texto, será um pouco diferente, pois eu sinto-me diferente, sinto-me estranha.
mesmo assim, e acima de tudo, tenho uma parte de mim que está feliz, apesar de ter tantos problemas neste momento. está feliz por ter alguns dos mais importantes, sempre do meu lado, e todos eles sabem quem são.
quero sentir-me normal, quero ser quem sou. 
estou estranha, também, por seguir tantas vezes o que as pessoas me dizem. sempre tentei ser forte ao ponto de não me deixar levar por criticas, mas, é impossível, e tenho a certeza de que ninguém é forte ao ponto de não se magoar com o que dizem, principalmente aqueles que sempre foram alguém valorizado, de certa forma, na sua vida. 
é exactamente o que me está a acontecer. tenho sido ingénua, e tenho considerado pessoas que são importantes, quando eu não lhes faço qualquer tipo de diferença, ou seja, que não sou importante, seja em que contexto for, simplesmente, não sou. e ultimamente tenho sido bastante criticada por certa gente, e isso tem-me magoado, daí o sentir-me estranha de que falo aqui. 
eu apenas quero ser feliz, e desta vez, quem me criticar, vai ficar simplesmente na ignorância para mim. não quero mais problemas, já me chegam bem os que tenho.
está quase na altura do carnaval, faltam poucos dias para sair daqui, e isso contribui para a minha felicidade. portanto, não vou ser mais ingénua ao ponto de o fazer, de me importar, e de me magoar. sempre fui forte, e é isso que tenho de continuar a ser.
mtmit, um obrigado, nunca chegará. (L)